quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Ganesha – Obstáculos.




                Deus Hindu com cabeça de elefante, filho de Parvati o criou do pó misturado com neblina de seu corpo, é senhor da fortuna, sabedoria e literatura. Líder das forças armadas de Shiva é ilustrado como tendo quatro braços e montado num rato. Gordo, engraçado e muito popular, suas duas esposas são Buddhi (representando o intelecto e intuição) e Siddhi (realização e conquista).
                O adorável Deus com rosto de elefante tem intrigado homens ao redor do mundo desde tempos antigos até a presente data. Os textos sagrados dão várias historias acerca do nascimento de Ganesha. A mais popular é a de que Ele foi criado por Parvati como um guardião de sua privacidade:
                Cansada das teimosias de seu marido em respeitar a sua privacidade ao entrar em seus aposentos pessoais, mesmo quando ela tomava banho, Parvati decidiu estabelecer limites claros de uma vez por todas. Antes de ir para o banho, ela esfregou de seu corpo a pasta de sândalo que a envolvia e com ela criou a figura de um garoto. Ela infundiu vida nele e disse que era sua mãe e que ele como filho deveria guardar a entrada enquanto ela se banhava.
                Logo após, Shiva (Senhor da destruição e marido de Parvati) apareceu para ver a esposa, mas o garoto bloqueou a entrada do Deus e não o deixou entrar. Shiva, que não estava ciente de que este menino era seu filho, ficou furioso e em grande ira lutou contra ele, arrancando-lhe a cabeça do corpo. Parvati ao sair do banho viu o corpo decapitado do filho e em seu desespero e dor ameaçou destruir céu e terra, tamanha foi a sua tristeza.
                Shiva acalmou a mulher e instruiu seus seguidores (chamados de Ganas) a ir pegar a cabeça do primeiro ser vivo que encontrassem. A primeira criatura encontrada foi um elefante. Assim sendo os Ganas cortaram-lhe a cabeça e colocaram no corpo do filho de Parvati, insuflando vida nele. Em júbilo a Deusa abraçou seu filho.
                A esta criança foi dado o nome de Ganesha por Shiva. A palavra Ganesha é feita através das palavras Gana (Os seguidores de Shiva) e isha (Senhor), assim Shiva o nomeou como senhor dos Ganas.
                Desde então Ganesha é descrito como um homem com cabeça de elefante, tendo somente uma presa, a outra é aparece quebrada. Um atributo único além da cabeça de elefante é a sua barriga proeminente, que aparece caindo sobre suas calças. Em seu peito, pouco acima do ombro esquerdo está o seu símbolo sagrado, geralmente representado como uma cobra. O rato que carrega sua carruagem é geralmente símbolo do controle sobre os desejos.
                Os atributos físicos de Ganesha por si só já são ricos. Ele normalmente se mostra com uma das mãos em Abhaya, símbolo de proteção e refúgio e na outra segura um doce (modaka) símbolo da doçura de um ser realizado interiormente. Em suas outras duas mãos ele segura um Ankusha (um tipo de machado) e um pasha (tipo de nó). O nó é referencia aos desejos terrenos e conquistas, que são como nós. O Machado é para manter o homem no caminho certo, da verdade. Com esta arma Ganesha pode combater e repelir os obstáculos.
                Sua barriga grande é símbolo da abundância da natureza e que Ganesha também engole os pesares e tristezas do universo e protege o mundo.
                A imagem de Ganesha é complexa, quarto animais (Elefante, homem, rato e cobra) contribuem para montá-la. Todas elas têm um profundo significado tanto por si só quanto coletivamente. A imagem de Ganesha assim representa a constante busca do homem por integração com a natureza.
                A mais forte representação simbólica de Ganesha é sem dúvida a sua cabeça de elefante. Ela é símbolo de bons agouros, força e inteligência. Todas as qualidades do elefante estão contidas no Ganpati. O elefante é o mais forte e maior animal na floresta. Ainda assim é gentil e encantador, vegetariano, assim não mata para se alimentar. É muito afetivo e leal com os seus e retribui com gratidão e amor se uma gentileza é feita a ele. Ganesha, mesmo sendo uma divindade poderosa é amoroso e não guarda rancor, é movido pela afeição de seus devotos. Mas ao mesmo tempo o elefante pode destruir uma floresta inteira e é um exercito de um homem só quando provocado. Ganesha é tão poderoso quanto e pode ser imbatível no combate ao mau. Suas orelhas conseguem separar o bom do mau, ouvem tudo e mantém somente o que é bom, é atento a todos os pedidos de seus devotos, sejam eles humildes ou poderosos.
                A tromba de Ganesha é símbolo de sua discriminação (viveka), uma qualidade igualmente importante e necessária para o progresso espiritual. O elefante usa sua tromba para amassar e derrubar grandes árvores, carregar troncos pesados para os rios e para outras tarefas pesadas. A mesma tromba é usada para pegar algumas folhas de grama, quebrar pequenos coquinhos e quebrar nozes para comer o que há dentro. Tanto as maiores quanto as menores tarefas estão ao alcance de sua tromba que é símbolo do intelecto de Ganesha e seu poder de discernir as situações. 
                Um aspecto intrigante de Ganesha é sua presa quebrada, levando a apelativa palavra Ekdanta, onde Ek significa um e Danta significando dente. Uma lenda interessante está por trás disto:
                Quando Parashura, um dos discípulos favoritos de Shiva veio visitá-lo, encontrou Ganesha guardando os quartos do palácio. Como seu pai estava dormindo, Ganesha se opôs a entrada de Parshurama, que tentou forçar sua entrada sem pensar duas vezes o que gerou uma briga. Ganesha a principio tinha a vantagem, opondo Parashurama com sua tromba e o girando, fazendo com que seu oponente ficasse enjoado e sem sentidos, se recuperando, Rama lançou seu machado em Ganesha, que reconhecendo a arma como de seu pai (Foi Shiva que deu a arma para Parashurama) recebeu o golpe com toda humildade em uma de suas presas, que ficou extremamente prejudicada e daí em diante, Ganesha tem uma presa somente.
                Uma versão diferente que explica a razão de sua presa quebrada narra que Ganesha foi pedido para escrever o épico Mahabharata ditado pelo autor, o sábio Vyasa. Percebendo que esta não era nenhuma tarefa normal e de tamanha importância, Ganesha entendeu que nenhuma caneta comum poderia escrever tão extraordinária história. Sendo assim quebrou uma de suas presas para servir de caneta. A lição oferecida aqui é a de que não existe sacrifício grande o bastante na busca por conhecimento.
                Dentre todos os símbolos de Ganesha, certamente o que chama mais atenção é a sílaba AUM. O símbolo OM é sagrado por toda Índia, considerado o mais poderoso e sagrado na religião Hindu. É dito que este som foi gerado quando o mundo veio a ser criado.  OM escrito, quando invertido confere as características perfeitas do Deus com cabeça de elefante! Ganesha é portanto o único Deus associado com o sentido “físico” do som primordial AUM.
                Ganesha é então associado a todos os campos de ação na vida de um homem moderno. É um Deus que abrange seu trabalho, seu lar, seu conhecimento e suas aspirações. Dentre tantas características vale ressaltar que Ele é um Deus acolhedor e muito benevolente, pronto a atender aqueles que a Ele se devotam. Em momentos de dificuldade e necessidade, chame por Ele para que sua inspiração te ajude a vencer os obstáculos, mas lembre-se sempre, o mesmo machado que destrói o que te atrapalha é a ferramenta que vai te moldar a seguir um bom caminho.
                Eu gosto de Ganesha pois ele consegue transformar em espiritual as ações mais mundanas. Nos lembrando a cada trabalho de que a espiritualidade está em todo lugar, e que cada acontecimento é uma oportunidade para realizarmos o trabalho de nosso Deus interior. Ganesha sendo homem nos afirma que a bondade e a gentileza fazem parte da masculinidade, que podemos ser firmes em nossos objetivos sem que com isso endureçamos nossas relações.

Ritual com Ganesha - Ganesha Puja – Acessando a energia divina.

Pujas são rituais tradicionais em muitas religiões hindus, eles são devocionais e se utilizam de músicas, dança, mantras e oferendas para acessar a energia de cada Deus. Para este ritual decidi me inspirar em um Puja para Ganesha. Acredito que rituais que contenham práticas utilizadas a muitos anos nas ritualísticas antigas de cada Deus carregam em si uma força ancestral, por isso muito interessantes de serem reaproveitadas.
Para este puja organize o altar com uma imagem de Ganesha que será usada durante o rito, três vasilhas de água, uma contendo água e outras duas vazias, incensos, flores frescas, vela vermelha, pote com uma preparação de pasta vermelha (você pode utilizar-se de argila e corante vermelho para fazer esta pasta ou pesquisar outros meios de fazê-la, procure informações sobre Tilak). Um Japa-Mala ou colar de contas para as repetições dos Mantras, tambor e maracás e oferenda de comida.
Estabeleça o espaço sagrado, concentre-se e centre-se. Invoque Ganesha através de uma música ou mantra específico para o Deus. Pegue a imagem Dele, e comece a meditar acerca das qualidades deste Deus, sinta como se sua barriga fosse o vácuo dentro de ti, enquanto respira, este espaço se enche de uma névoa escarlate, aos poucos esta energia em seu estomago começa a tomar forma, a forma daquele que tem a cabeça de elefante, Ganesha.
 “Ganesha, o avermelhado, com cabeça de elefante e corpo de homem, que tem como veículo um rato. Com grande barriga, orelhas como cestas de colheita, ele segura uma romã com sua tromba e a lua crescente em sua testa. Em seus quatro braços ele segura a sua presa, um Machado, um nó e faz o gesto de garantir bênçãos.”

 “A presa é para representar serviço.
O Machado é para nos lapidar no caminho.
O nó é para nos lembrar daquilo que nos prende.
Aos seus devotos ele garante muitas bênçãos.
Suas orelhas, separam a verdade do que não é verdade.
Sua presa inteira nos mostra o poder da força e descriminação.
Seu veículo é o rato e é para astúcia e sutileza.”
Medite sobre as qualidades de Ganesha dentro de ti, ele tem a força e a sabedoria de um elefante, a inteligência de um homem, a astúcia de um rato. Ele é senhor dos Ganas, é ele que traz boa sorte e remove os obstáculos. Filho de Shiva e Parvati, adorado entre deuses e homens.
Agora que construiu uma imagem de Ganesha internamente, é hora de pegar a imagem dele e respirar vida nela. Inspire lenta e profundamente, alimentando a imagem interna de Ganesha, ao expirar, exteriorize ela na figura do Deus, faça isso quantas vezes sentir necessário, até que a imagem externa esteja carregada com fluido vital.
Agora é hora de fazer oferendas para imagem de Ganesha.  Durante esta parte do ritual vamos pronunciar a palavra Gam que é o mantra semente de Ganesha e Ganapati, seu epíteto. Assim insuflamos energia a cada oferenda.

Gam, obediência a ti Ganapati (derramando a água da primeira tigela nas outras duas.)
Gam esta água. Gam Gam Gam Hum Hum Om Gam Ganapati Namah
 (Ofereça a primeira tigela para Ganesha) – Gam, está é para Beber.
 (Ofereça a segunda tigela para Ganesha) – Gam, está é para te banhar.
 (Acenda o incense e ofereça a Ganesha) – Gam, este incenso é para as orações.
 (Ofereça a vela para Ganesha) – Gam, está é a chama do sacrifício.
 (Ofereça a comida para Ganesha) – Gam, está comida é para o sustento.
 (Ofereça a flor para Ganesha) – Gam, esta flor é para a experiência.
 (Toque tambor e maraca, faça música para Ganesha) – Gam, isto é musica para os prazeres.
Aceite estas oferendas Oh Sri Mahaganapati, derreme Siddhi, bênçãos, sobre nós
Feito isto, pegue o japa e entoe uma rodada de “Jaya Ganesha” ou “Om Ganapati Namah” meditando e trazendo a energia de Ganesha para sua vida. Medite acerca dos obstáculos que pretende superar e peça ajuda para o Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário