segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Repensando a Roda do Ano: Litha.


                Chegamos a mais um solstício, o ápice do sol refletido na duração dos dias. Conforme os dias se estendem nossa vitalidade cresce, nossa vontade, nossa disposição aumenta, ficamos mais bem animados. Junto com isso o calor aumenta, é a energia se intensificando. O sol tem uma influencia muito interessante sobre a vida na terra, é símbolo de vitalidade e ao mesmo tempo dos ciclos, pois é através de sua trajetória que as estações se definem e foi através de sua rota durante o dia que os primeiros relógios foram baseados e até hoje a nossa marcação de tempo é baseada em seu trajeto.
                O sol é o símbolo maior do fogo, seu calor nutre, sua luz ilumina e sua influencia para nosso ambiente é tão benéfica quanto devastadora. O sol nos lembra de que devemos cuidar dos excessos, contém em si a semente da destruição. A vegetação muito exposta aos seus raios, seca, os animais se queimam, os seres humanos adoecem. Justamente neste festival, marcado por volta do dia 21 de dezembro que temos a oportunidade de celebrar ambos estes aspectos. O sol nos mostra que tudo tem um limite, que existe um ponto seguro até onde as coisas podem crescer, até onde a energia pode se expandir e conseqüentemente qual o momento oportuno de mudar o ponto de vista, a estratégia e a nossa posição no ambiente.
                Litha como um festival de fogo nos remete a ações que promovam a expansão de nossa comunidade, a prática de rituais e de meditações, já que o fogo é um símbolo de nossa centelha divina, é durante este momento que devemos aproveitar a energia do sol para trabalhos mágicos. As plantas estão com suas energias no pico, nós estamos sintonizados com este auge e podemos direcionar nossos objetivos para aquilo que precisa de força e motivação. Trabalhos para proteção, cura, oráculos tem maior eficácia quando focados nos poderes do sol.
                Mas como tudo que sobe tem que descer e como diz o ditado popular “Uma lâmpada brilha ao máximo antes de se apagar” este também é o momento de se trabalhar com aquilo que desejamos expurgar, banir, diminuir, purificar. Como diz Starhawk “Aquele que não sabe amaldiçoar, não sabe curar” e eu continuo dizendo que aquele que não sabe curar não sabe amaldiçoar. Esta é uma máxima preciosa da arte, que reflete os poderes do Sol e do Fogo. Devemos ter consciência da energia que temos ao nosso redor e saber que não podemos controlá-la, nos resta então saber manejá-la da melhor maneira possível.  O fogo serve para cozinhar, iluminar, aquecer e movimentar, bem como para queimar, destruir e escurecer, tudo depende de como o manejamos.
                Aproveite este momento para ver como a energia ao seu redor se movimenta. Em nossa cultura estamos perto do “final do ano” um momento oportuno para utilizarmos os poderes do fogo para queimar o que não queremos mais e cozinhar aquilo que queremos que nos alimente nesta próxima etapa. É um momento também de confraternização, de espalhar o amor e carinho para aqueles que estão mais próximos de nós, de refletirmos sobre onde investimos nossa energia e em que estamos dispostos a investi-la no próximo ciclo. É tempo de acendermos fogueiras e observarmos o fogo e seus movimentos, é tempo de dançar, curtir o corpo e o que nos dá força, vitalidade e energia, de honrar os Deuses e os Espíritos, pois eles representam os mistérios que animam a vida ao redor.Honrem essa força que se que move através de vocês, em vocês e por vocês, façam seus rituais e feitiços, aproveitem a potência do Sol para despertarem o Sol interior em cada um. Se conectem com a energia de cada coisa ao seu redor, reconhecendo a divina presença em cada ser. Abra seus sentidos, que seus olhos possam ver com mais clareza, que outros planos e pontos de vista possam lhe ser apresentados. Que seus ouvidos possam escutar a sinfonia dos planetas o canto de vida e morte da Grande Mãe, que eles possam escutar melhor o que o outro tem a dizer. Que seu paladar aumente e perceba os sabores que a vida lhe trás e mais, que você possa saborear os prazeres de existir. Que sua pele sinta prazer com cada toque, com a leve brisa do ar, com a luz do sol tocando a sua pele e com isso você sinta a presença divina ao seu redor, a presença divina dentro de você.
                Em Litha abra espaço para o seu self divino se manifestar, coloque-se em harmonia com o propósito divino e peça para os Deuses te auxiliarem a realizar o trabalho do seu Deus interior com integridade e harmonia. O que te motiva a continuar? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário