domingo, 20 de novembro de 2011

Corpo e Alma

Este texto é uma extensão do que escrevi em Beltane, é sobre a maneira como o que consideramos sagrado nos leva a agir no mundo.
                Ultimamente ando ouvindo muitas coisas sobre o corpo ser um instrumento, sobre o corpo ser uma casca e até sobre o corpo ser um cárcere para a alma, hoje eu fiquei me perguntando: onde o corpo termina e a alma começa? Onde se localiza essa essência divina? Uns dizem que é no coração, os mais apaixonados certamente, os mais intelectuais dizem que a alma se localiza no cérebro, os céticos dizem que a alma não existe. Pode ser.
                A alma é parte integrante de um sistema complexo chamado vida. Nesta vida inclui-se corpo, sentimentos, pensamentos e muito mais. Eu sinceramente não sei onde termina o corpo e onde começa a alma e pouco me importo, sabe por quê? Por que sei que independente da resposta esse corpo meu é uma extensão de uma inteligência divina e por isso merece ser tratado com respeito e dignidade, com sacralidade.
                A nossa cultura tem implantado em nosso desenvolvimento um ranço cristão de que nosso corpo precisa pagar pelos nossos pecados, que é através da dor, do sofrimento e negando os prazeres da carne que vamos alcançar a redenção. Triste isso ,não? A vida, uma experiência divina, ser desperdiçada com sentimentos de culpa, sofrimento e dor é muita tortura! E mesmo aqueles que se dizem ateus ou melhor, até muitos amigos meus pagãos ainda tem esse comportamento tão enraizado em seu ser que não percebe o mau que faz a si mesmo. Achamos que para encontrar a felicidade devemos nos privar dos prazeres da vida, devemos viver em dieta pra ter o corpo perfeito, devemos viver na academia para ficar tudo em cima, devemos violar nosso corpo com agulhas, seringas e bisturis para nos mantermos sempre jovens. O Deus na verdade mudou, mas seus métodos não... Antes era o Deus cristão, hoje é o Deus Capitalismo, que foi de um extremo onde o material era desprezado para outro onde o material é ridicularizado.
                O que mais me preocupa nisso tudo é que a dinâmica de ação e pensamento é a mesma, de que não temos valor imanente, de que precisamos reprimir o que existe em nós de mais sagrado, nossa originalidade para sermos felizes, comemos um monte de lixo alimentício, desperdiçamos mais tempo na frente do computador do que movimentando nosso corpo, nos punimos cada vez que algum objetivo irreal não é alcançado, afogamos nossas mágoas com bebidas, drogas e outras violências contra nós mesmos buscando a satisfação imediata, buscando o prazer irreal.
                Essa dinâmica de ação, esses valores é que direcionam a maneira como tratamos a natureza. Desmatamos, jogamos lixo na rua, não reciclamos, não economizamos água por que vivemos num imediatismo. Queremos o que queremos e queremos agora! Amanhã é outro dia, como diz o ditado, amanhã eu me preocupo com o amanhã. Mas a hora é agora! Enquanto não respeitarmos o nosso próprio corpo, estaremos desrespeitando o corpo de Gaia, pois somos uma extensão Dela. Precisamos fortalecer os laços que temos com nosso próprio corpo.
                A Tradição Feri tem uma prática que alinha os nossos Selves, chama-se oração Ha e é neste momento que alinhamos nossos 4 corpos sendo o físico um deles, o divino outro. Não existem graus de importância, existem sim finalidades diferentes. A idéia de corpo como instrumento é inexistente, corpo é alma, corpo é vida, corpo é sagrado e é um nível de espírito, uma forma de energia. É através de nosso corpo que desvelamos os segredos mais íntimos, é através deste corpo que viajamos aos lugares mais fantásticos, este corpo é a chave para a compreensão do cosmo. O microcosmo refletindo o macrocosmo e é essa lei que define que o que fazemos para o corpo, faremos para o universo. Escolha com sabedoria.  

3 comentários:

  1. Eu acho que o limite de corpo e alma se confundem, eu vejo muito o corpo como projeção material da alma, acredito que corpo e alma devem estar alinhados.
    Acho importante isso de se libertar das amarras que nos impedem de viver plenamente, da ideia cristã de que a punição dissolve o pecado.
    Ver o corpo como parte da Deusa e portanto sagrado, e não forçar os limites desse corpo, não violar a sacralidade e a ação do tempo, cada fase de nossa vida nos traz um ensinamento, e precisamos viver isso em plenitude.
    Como diria Anna Magnani "Por favor não retoquem minhas rugas, eu levei muito tempo para ganha-las".

    ResponderExcluir
  2. Que lindo esse comentario sobre o envelhecer... acredito mesmo que a partir do momento em que respeitarmos o nosso corpo vamos tambem respeitar o nosso amadurecimento =D

    ResponderExcluir
  3. Citando Gandhi, "você deve ser a própria mudança que deseja ver no mundo". Tudo começa, na verdade, dentro de nós. Se a mudança não for interna, não haverá mudança de fato.
    Precisamos olhar mais para dentro.

    ResponderExcluir