terça-feira, 18 de outubro de 2011

Repensando a Roda do Ano: Beltane


Já começamos a sentir o calor do verão se aproximando, os dias se fazendo mais longos que as noites parecem que tornam tudo muito mais produtivo e agradável. Essa energia solar que envolve esta parte do ano impulsiona a ação, a se movimentar. Conforme a temperatura aumenta vamos usando menos roupas, os corpos começam a se mostrar, despertam os olhares, o desejo, aquela malícia do flerte, um ensaio para o verão.


Beltane é o casamento sagrado entre Deus e Deusa, é o momento de suas núpcias, é o encontro fértil da cria-ação. É junto com Samhain o festival mais importante da roda do ano Celta pois demarca a meia volta da roda. É neste momento que os véus entre mundos ficam mais tênues e se em Samhain celebramos os antepassados e ancestrais, em Beltane fazemos um convite ao povo das fadas para se aproximar e dançar com os mortais. Beltane é o cio da natureza, onde tudo fica mais convidativo, onde tudo fica mais intenso, os cheiros, as cores e os sabores. Não poderia ser diferente quando a lua cheia esta em escorpião.


Escorpião é um signo intenso, sexual e profundo, cheio de mistérios, é neste momento que devemos nos aprofundar nos sagrados mistérios da sexualidade, a vida que vem brotando da morte (em Samhain) é provar dos prazeres que a terra oferece, e quando digo terra me refiro ao sentido abstrato, o sentido carnal, nossos corpos, os prazeres que ele pode nos proporcionar e os ensinamentos valiosos que isso pode nos acrescentar. Escorpião é um signo de água, remete a lubrificação vaginal, ao sêmen, ao suor, a saliva, em Beltane isso se torna muito mais sagrado, nos foca no corpo.

Em uma religião que venera o sagrado em cada coisa, o corpo deve ser usado como instrumento de aprendizado, deve ser valorizado e respeitado acima de tudo. Em bruxaria muitas vezes o negligenciamos, algo tão contraditório já que o nosso corpo é a chave de acesso aos mistérios da terra e dos planos espirituais. O sexo é sagrado, o encontro entre corpos é mágico e o prazer deve ser venerado como energia mágica, o orgasmo é divino é o Big-Bang é a explosão de sentidos que cria, transforma e renova.

Existe em nosso ser uma capacidade ainda pouco explorada, pouco valorizada, nosso corpo é um instrumento valioso de engrandecimento espiritual e é veículo de experiências e registros. Em Beltane vamos nos aprofundar nos mistérios da carne, nas espirais do nosso DNA que refletem as galáxias, em nossos centros de força, os planetas, as cores do arco-iris, em nossas camadas, como diz a antiga canção “Terra meu corpo, água meu sangue, ar meu alento e fogo meu espírito!”. A medida que vamos nos permitindo viver nosso corpo como sagrado vamos criando maneiras de respeitar a própria terra.

Tratamos o meio ambiente e a sociedade ao nosso redor da mesma maneira que tratamos o nosso corpo, nos entupimos de gordura trans, de frituras, açucares e excessos pelo simples prazer de fazê-lo, compramos, consumimos, bebemos, envenenamos nosso ar, nossa água, nossas vidas pela simples afirmação: “Eu posso, eu consigo” e esquecemos de que cada ato feito ao nosso corpo é um ato feito a terra e vice-versa. O sentimento é o mesmo, a lógica é a mesma, buscamos o prazer imediato, o prazer fútil que vêm sem um objetivo sagrado de encontro e transcendência, mas um prazer movido pelo vazio, pelo desespero, pelo stress de nossa correria, de uma busca por satisfação e reconhecimento, um reforço positivo, um carinho. Entupimos-nos de chocolate pois esse é o maior prazer que podemos ter entre um intervalo e outro. Bebemos até cair pois ou somos travados demais para nos divertirmos, ou temos problemas demais para pensarmos em outra coisa. Prejudicamos nosso corpo na busca de algo passageiro, superficial e vicioso, fazemos a mesma coisa com a terra.

Beltane é sobre a sexualidade sagrada, é sobre ser homem e sobre ser mulher, sobre exercer seu papel divino na terra e alcançar o êxtase, o prazer profundo de estar conectado consigo mesmo. Por isso, durante este momento vamos nos dedicar a fazer as coisas que realmente nos dão prazer e a encontrar prazer nas nossas tarefas diárias. Em seu trabalho, encontre pontos que o tornem sagrados. Em sua casa, valorize sua família, abrace, beije e divirtam-se juntos. Agradeça pelos seus pais, agradeça pela sua casa, pelo abrigo e alimento, agradeça pela benção que são seus irmãos. Em Beltane dance, cante, envolva-se e se entregue aos prazeres de seu próprio corpo, toque-se, sinta-se, relaxe e goze, incorpore a Deusa neste momento, incorpore o Deus, entregue essa energia orgástica para a terra, conecte-se.

Abrace uma árvore, cuide dos seus animais, ame-os. Mas antes de amar qualquer outra coisa, ame a si mesmo. Respeite-se, reconheça seus limites, reconheça teus verdadeiros desejos e “Seja a mudança que quer ver no mundo” como diria Ghandi.

Namaste!


Um comentário:

  1. Brunooooooooooo... q coisa mais linda!!! Você colocou em palavras o q sinto e penso sobre esse momento da Roda! Te amoooo... queria q estivesse aqui celebrando os Fogos de Bel conosco!
    =(

    ResponderExcluir