segunda-feira, 5 de setembro de 2011

O Imperador: (Criar)atividade.


Mais uma semana se passou, ou melhor, neste arcano se passaram três! A energia do ultimo esbath a Kali ainda está se manifestando, trazendo a tona muita coisa que precisa ser revista e purificada e um dos meios que o universo encontrou de me mostrar algumas destas coisas foi me deixando doente. Peguei uma super gripe, do tipo que não pegava a anos, do tipo de deixar de cama, com febre e faltar trabalho. Bem, trabalho, um dos pontos que O Imperador reina e foi um dos pontos que pesou na balança nestes últimos tempos.

A primeira carta que eu peguei pra meditar foi como sempre a do Wildwood tarot, adoro os arquétipos primitivos deste Deck, eles falam de uma maneira tão instintiva e crua que é impossível eu não responder de maneira quase visceral, algo pulsa dentro de mim com cada representação gráfica das energias arquetípicas e com O Imperador não foi muito diferente, na verdade foi singular, afinal o arquétipo desta carta é o “Green Man” o “Homem Folha” e a primeira coisa que me veio a cabeça foi Ordem Natural. Afinal de contas, toda a estrutura molecular existente na natureza é organizada de maneira muito inteligente, cada molécula se organiza de uma maneira e quanto mais organizada, mais resistente é a estrutura.

Eu vejo muito de estruturação nesta carta, o jeito com que O Imperador senta em sua cadeira nos Decks tradicionais, as pernas cruzadas me passam a idéia de base sólidas, segurança, me lembram o jeito que o meu pai sentava na frente da televisão para assistir o jornal depois do almoço, um horário em que o silêncio deveria predominar, onde nós, as crianças deveríamos nos comportar e deixar que o senhor da casa tivesse seu “momento de lazer” no seu horário de almoço, entre os turnos do trabalho. Meu pai foi o típico chefe de família dos anos 80-90, minha mãe era dona de casa e ficava cuidando dos filhos, meu pai era o provedor, o que botava comida na mesa. Claro que hoje em dia isso mudou, e muito, mas é o exemplo dO Imperador reinando sobre as suas terras, botando ordem na casa e sendo o senhor do seu mundo.

De uma maneira interessante me encontrei vivendo esse Arcano no meu mundo profissional, e onde mais seria um campo tão rico? Onde eu trabalho, assumo um cargo de liderança e claro, na regra dos papéis complementares, todo líder precisa de liderados e essa relação nem sempre é muito fácil, principalmente pra alguém que como eu não acredita no poder da hierarquia patriarcal. Mas como lidar então com organização? Bem, eu tento de várias maneiras ser acolhedor e usar ferramentas como inversão de papéis e role-plays com o pessoal, mas existem momentos em que o papel de chefe tem que ser assumido e bem, tendo o meu self-animal como Lobo, sei bem ser o Alpha da história e foi isso que me aconteceu durante uma reunião de negócios, me senti atropelado por um liderando e meu instinto foi de “colocá-lo em seu devido lugar”, mas claro que isso não aconteceu, não seria apropriado a minha conduta, mas o sentimento existiu, a minha mandíbula travou em uma mordida que seria realmente violenta, mostrando pro outros da matilha quem é que manda. E então identifiquei O Imperador acontecendo em mim, sua energia fluindo. Permiti-me viver esse momento sem culpas, refleti com a energia deste governador sábio e experiente e cheguei a conclusão de que se eu ocupo a posição que ocupo é por saber fazer o trabalho bem feito, nada mais justo as decisões passarem por mim antes de qualquer coisa.

Às vezes sinto que esse energia Imperador tem ido longe de mais na nossa sociedade, afinal de contas evoluímos de organizações feudais, onde nos reportávamos a reis e também imperadores, mas conforme a sociedade foi evoluindo, cada um se tornou imperador do seu próprio negócio e as coisas se desdobraram para ter muito cacique para pouco índio. Todo mundo acaba sofrendo com isso. A energia deste Arcano é masculina, de manifestação, impulso e energia. Cabalisticamente falando sempre vi muito a energia do imperador como a esfera de Chokmah, a primeira manifestação depois de Kether. Chokmah é energia masculina pura, sabedoria. Justamente este Arcano se liga com esta esfera sendo o caminho de ligação entre Chokmah e Tiphareth, uma esfera de verdade e sobre self, um caminho de manifestação intelectual ativa.

Neste aspecto o Imperador entra como energia de motivação, ele é Áries! A energia que impulsiona sem pensar muito nas conseqüências, a força para agir e fazer acontecer. No Olympus Tarot ele é representado pelo Deus Ares, a força violenta da ação. Pude perceber um pouco desta energia quando me motivei a colocar em ação alguns projetos meus que estavam empoeirados a um tempo, fiquei me perguntando: “De onde vem essa força? Essa energia?” é algo interessante como a motivação exerce sua influencia em nosso corpo, é um fator psicológico que desencadeia uma reação orgânica de energia, força de vontade e ação, resultando num movimento. Novamente a Ordem do Homem-Folha aparecendo como agente de ação.

Por fim o imperador veio para dar uma direção a toda força nutridora da Imperatriz e tudo isso vai resultar numa energia Hierofante, mas durante essa jornada encantadora com o tarot me surgiu uma reflexão: as cartas iniciais, O Mago, Sacerdotisa, Imperatriz e Imperador, sempre me pareceram muito como um fim ao invés de um meio e me intriga ver elas como o inicio de tudo, são energias tão potentes, que claro, parando pra pensar, fazem todo o sentido de estarem criando bases solidas para o que esta por vir, mas mesmo assim é interessante ver como tudo isso foi lido e interpretado de uma maneira tão interessante e complexa. Existe mais por trás dO Imperador que se pode ver a primeira vista, além da força masculina que o caracteriza, ele é suportado por duas forças femininas de extremo poder, A Sacerdotiza e a Imperatriz. É interessante ver essa dança entre pólos criando e contando histórias, não é? Acho que O Imperador é isso também, começar a encontrar ordem no Caos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário