quarta-feira, 13 de julho de 2011

Pirâmide do Poder: Saindo do abstrato e indo para a prática!


A prática com os Elementos e mesmo com o desenvolvimento das qualidades mágicas tem variado muito e tem sido bem diversa nos últimos tempos, mas poucos são os exercícios que visam aprimorar e unir o manejo energético com a rotina e aprimoramento moral do bruxo num sentido mais prático mesmo. Se existem, existem sim! Mas muito das praticas dos elementos se caracterizam como meditações e vivências, a proposta deste treinamento é incorporar os elementos com a rotina do dia-a-dia. Existem muitas ferramentas das quais os bruxos se utilizam para o auto-aprimoramento e desenvolvimento de faculdades extremamente importantes para a magia, a pirâmide dos bruxos é uma delas. A primeira vez que me deparei com os pilares da pirâmide foi no Livro do Eliphas Lévi “Dogma e ritual de Alta magia” e mais adiante no livro “Dança Cósmica das feiticeiras” da Starhawk, mas só fui desenvolver uma senso prática destes com o Podcast do Ariel “A witche’s primer” e é em cima disto tudo que irei elaborar um texto prático e ilustrativo nessa serie que chamo de “Pirâmide do Pode: Saindo do Abstrato e indo a prática”. Pois além de ser um ótimo exercício para se conectar com os elementos e desenvolver uma base sólida para as prática, trabalha também muito com poder interior e com as relações, consigo mesmo e com os outros, saindo do individual e partindo para o coletivo, para a comunidade, para o dia-a-dia.

Este primeiro texto é para explicar os pilares, os seguintes serão mais um aprofundamento e trabalho prático acerca dos mesmos e como podemos exercitá-los para ter muito além de uma vida mágica eficiente, estabelecer relacionamentos sadios com a nossa comunidade. Os quatro tradicionais pilares são os famosos Saber, querer, ousar e calar, mas como tudo evolui e se aprimora os pilares também evoluíram e foram ligados aos quatro elementos e acrescentado mais um, o topo da pirâmide: O espírito. Um programa de treinamento de 5 meses com todos os lados da pirâmide. Então preparem-se para trabalhar, levantem as mangas e mandem ver! Durante esse tempo estaremos construindo nossos corpos mágicos, relacionados com os 4 elementos mais o espírito. É o desenvolvimento de bases mágicas eficientes.


Saber (nescere)

-Corresponde ao elemento Ar.

-No novo esquema "Saber" se torna "Imaginar".

Basicamente esse princípio tem a ver com adquirir conhecimento, seja de livros, professores ou de experiências. Também tem a ver com qualquer coisa ligada ao conhecimento como: organizar este saber, lembrar, analisar, pensamento lógico, imaginar e por ai vai. Isso remete a muitas habilidades necessárias em um ritual: Lembrar as palavras de invocação, saber quando lançar o circulo, quais as correspondências e saber qual é a sensação de se aterrar corretamente.

Na arte conhecer é poder. Nenhum conhecimento é desperdiçado e você vai se dar conta de que as aulas de arte do seu primário te ensinaram coisas realmente úteis para realizar um ritual eficiente! Ou que as dicas de sua avó sobre como plantar e colher te ajudam hoje a ter um bom jardim e até mesmo as aulas de educação física te auxiliam a se concentrar e centrar!

Os famosos dizeres: "Conhece a ti mesmo”, "Conheça a sua Arte", "Aplique o seu conhecimento" Se incluem neste pilar.

Conhecer se adapta em Imaginar por um simples motivo: Magicamente, imaginar é visualizar, uma das (senão a mais) útil das ferramentas mágicas! É visualizando que direcionamos, invocamos, sentimos e fazemos acontecer! A imaginação liga-se diretamente com o intelecto, com o Ar.


Querer (Velle).


-Relaciona-se com o elemento fogo.

-Representa a disciplina/vontade e suas habilidades de magia e de fazer acontecer (o mais importante! As coisas acontecem, já que o bruxo, através da sua força de vontade as faz acontecer!).

Esse esquema pode ser dividido em duas categorias: A mundana e a mágica. A parte mundana é manter sua vida em ordem, conseguir buscar e alcançar o que se quer e ser organizado com as suas coisas, é cumprir promessas e compromissos, é falar a verdade. A parte mágica se refere a vontade de ver um trabalho seguindo o seu curso e alcançando um objetivo, manter uma intenção clara sem se distrair.

Concentração, disciplina e conduta são definitivamente parte deste esquema, assim como entusiasmo e motivação para realizar o trabalho/ritual em primeiro lugar.

Se colocar alinhado com a vontade divina também se inclui neste tópico.

“Manter seus pensamentos e ações em boa ordem” e “Comer e Beber corretamente” se encaixam em “Querer”.


Ousar (Audere).

-Corresponde ao elemento água.

-Engloba as emoções, o coração, já que a palavra coragem tem a mesma origem que coração.

-No novo esquema representa Fé.

Ousar trabalha com a capacidade de encarar seus medos, especialmente aqueles que envolvem trabalhos mágicos e contato com as divindades e é por isso que foi transformado em fé. Saber mais do que confiar, viver mais do que acreditar, isso é ter fé! Você vive os Deuses, você sabe que eles existem e por isso confia e se entrega, ousa cruzar o limiar. Ouse tentar diferente, pois sabe que o resultado será diferente, ouse ser criativo, inspirador e destemido, interaja com os Deuses, busque-os, encare a sua sombra.

Isso não significa que você nunca deve sentir medo ou deve reprimi-lo, muito pelo contrario, o medo é uma ferramenta, um instrumento de reconhecimento de si e fortalecimento. Integrar-se a sombra, respeitá-la e reconhecê-la é inspirador e engrandecedor. Um dizer muito popular da Feri Tradition, é “Onde há medo, há poder”, poder interior ao contrario de poder-sobre, é poder reconhecer, é poder fazer diferente é poder enfrentar aquilo que te prende e te deixa rígido.

Vale lembrar que todo sentimento dentro do círculo é aumentado e fortalecido, por isso que muitos métodos iniciáticos colocam “Melhor ferir-se com esse punhal do que entrar no círculo com medo ou desconfiança”.


Calar (Tacere)

-Corresponde ao elemento terra.

-No novo esquema representa o Segredo.

Manter o silêncio ou respeitar o trabalho mágico o deixando em segredo, é sobre isso que se trata essa premissa. É neste ponto da pirâmide que refletimos sobre o poder de nossas palavras, a energia investida em nossa voz e a necessidade de se focar num trabalho mágico sem que exista muita conversa sobre, afinal de contas, se o propósito de um ritual é a manifestação física de alguma coisa, temos que tomar cuidado para que essa manifestação não aconteça através de palavras.

Janet Farrar tem uma visão muito interessante sobre isso e se liga um pouco com o processo de trabalhos com sigilos, uma vez que o processo ou ritual foi feito, não se fala mais nisso, pois a energia foi para o inconsciente onde ficará fermentando até o momento oportuno. Falar sobre é desperdiçar energia mágica.

Atualmente nossa sociedade tem se tornado cada vez mais aberta a diversas coisas, mas ainda existem preconceitos acerca dos trabalhos de bruxaria baseados em pura ignorância (no sentido de ignorar o que realmente é a bruxaria.) e o que um trabalho mágico realmente não precisa é ter energias que vão contra ele, como um colega de trabalho desconsiderando seu ritual, fazendo graça ou desmerecendo a sua prática religiosa. O silêncio vale ouro! É neste aspecto também que nos propomos a pensar mais antes de falar, a pensar em cada palavra que vamos dizer e em que vamos nos comprometer, para que isto esteja em sintonia com a nossa realidade e capacidade, só fale o necessário, invista essa energia em dizer a verdade ou para imbuir o ambiente ao seu redor com bênçãos e coisas que agregam! Isso torna a nossa sociedade mais polida e muito mais harmoniosa. Minha mãe sempre diz um ditado que vale muito nessas horas “Se não tem nada de bom pra falar, não diga nada!”.

Silêncio também indica o “marco zero” o silencio interior, o som do nada, é muito importante para o trabalho mágico, já que toda prática deve ser iniciada com um centramento e aterramento (e então a importância do elemento terra neste ponto da pirâmide). E convenhamos, é muito difícil manter-se centrado se não conseguimos silenciar nossa mente, certo?

O silêncio nos permite escutar os Deuses a natureza ao nosso redor, nos permite escutar mais os outros e estarmos mais presentes em nossas relações, já que muitas vezes as pessoas precisam de alguém que as escute de maneira ativa, atenta e sincera.



Manifestar.
-corresponde ao espírito. É o topo da pirâmide.

Algumas tradições colocam como o quinto elemento o espírito, o elemento que mobiliza incita a vida nas coisas, as faz acontecerem, manifestarem no plano divino, espiritual e também no físico. São os quatro elementos em perfeita harmonia, é o resultado de uma combinação temperada com inteligência das energias elementais. É se alinhar com o Eu-Superior, com a mente cósmica, com a centelha divina dentro de cada um, é despertar o sol interior e poder brilhar, contagiando tudo a sua volta com luz, é uma prática que condiz com sua crença, de que tudo é sagrado e todos somos divinos é reconhecer a Deusa em todas as manifestações da vida é saber aplicar os conhecimentos e navegar de acordo com as marés de poder!


Conclusão:

Ao trabalharmos com os quatro alicerces da pirâmide e mais o topo poderemos desenvolver as habilidades necessárias para que a magia se manifeste no plano real e isso vai muito alem de feitiços, se desdobra para uma postura ética e moral saudável, desperta o poder interior e ainda uma vida com mais qualidade. Nada disso deve ser rígido e sim feito através de muita reflexão e boa vontade! Levar a sério não significa que não possa ser divertido. Nos próximos meses faremos o trabalho com cada lado da pirâmide onde durante um mês praticaremos com um elemento especifico!

Namastê!


Matéria publicada originalmente na revista virtual "Vôo Noturno" Ed. 11.

Um comentário:

  1. Adorei!! Realmente algo que deve ser lapidado todos os dias...

    ResponderExcluir