domingo, 12 de junho de 2011

IMANÊNCIA E COMUNIDADE.


(Retirado da Apostila do meu curso de Reiki nivel 3).

"É chegado o momento na existência humana que a consciência da sacralidade de tudo e de todos precisa ser despertada em cada pessoa para que se possa viver em harmonia com o planeta e uns com os outros. O conceito de imanência é muito precioso e útil para compreender a visão espiritual da interconectividade que existe entre todas as coisas.
Starhawk coloca que “imanência é a consciência de que o mundo e tudo ao nosso redor está vivo, é dinâmico, interdependente, interativo e infundido com um movimento energético: Um ser vivo, uma teia. A compreensão de que todos os seres vivos estão relacionados, que todos estamos ligados com o cosmos como parte de um organismo vivo. O que afeta um, afeta todos nós.”
Este é um conceito antigo, difundido pelos budistas e taoistas simbolizado e muito presente na saudação hindu “namastê”, que diz “O deus em mim saúda o deus que há em você”.
Partindo deste ponto de vista proponho a reflexão acerca da nossa importância e trabalho dentro da comunidade, “O conceito de comunidade não é apenas uma "construção" (modelo), é uma "Construção Sociológica." É um conjunto de interações, comportamentos humanos com significado e expectativas entre os seus membros. Não se trata apenas de uma ação isolada, mas de um conjunto de ações que têm como base a partilha de expectativas, valores, crenças e significados entre os indivíduos.”
Desde modo, o reiki nível 3 é um ótimo mecanismo de interação com a comunidade. É chegada a hora de sair da ação individual e partir para a coletiva, com o Daí Ko Myo podemos agregar grupos, curar comunidades e até o planeta terra. Essa energia desperta em nós o sentimento de agir coletivamente, para o bem de todos e não somente o seu, amplia as energias e promove o incentivo a fazer as coisas acontecerem de maneira que possamos elevar a vibração do planeta terra e curá-lo.
Mas a cura do planeta terra não acontece somente com o envio de energia reiki, claro, isso ajuda e muito, mas precisamos agir, dentro de nossa comunidade, grupos, bairros e escolas, modificar, transformar e conscientizar! Vamos começar aos poucos, com a nossa casa, nosso grupo de práticas espirituais e vamos ampliando!
A terra é nossa mãe e devemos cuidar dela, sermos agentes de transformações e curadores do planeta. A responsabilidade é nossa também por fazer deste mundo um lugar melhor! Agora é a hora de agir!
A pergunta que deve surgir em algumas mentes agora é: “Como eu posso fazer isso?” bom, a resposta é simples, comece primeiro a se conscientizar das coisas que acontecem ao seu redor, na sua comunidade, as políticas públicas e sociais de sua cidade... muito complexo ainda? Comece separando o lixo orgânico do reciclável, economizando mais água e escolhendo produtos que são ecologicamente corretos, que não usam animais pra testes, escolha sacolas reutilizáveis ao invés das plásticas que entregam no mercado, ou melhor, se puder escolha não levar sacolas! Prefira os papéis reciclados aos brancos. Tenha uma postura mais positiva frente a vida e as dificuldades, eleve a sua vibração que a vibração ao redor vai se harmonizar! Abençoe e agradeça sempre que puder, a cada momento, respeite os animais e o planeta terra e mais ainda, respeite as pessoas ao seu redor, evite a violência (de qualquer tipo) e seja claro, sincero consigo mesmo e com os outros também.
Se envolva em projetos sociais, mesmo que não seja para participar, pelo menos saiba os quais estão fazendo algo pelo que você valoriza, informe-se! Troque suas lâmpadas por outras de melhor qualidade e mais econômicas, doe roupas a quem precisa, faça o seu trabalho com qualidade e reconhecendo a manifestação divina nele, se envolva e ame a terra, respeite-a e reverencie-a como um ser vivente, como uma mãe nutridora e abundante, próspera e sábia.
O conceito de imanência prega a principal premissa de fazer ao outro o que você gostaria que fizessem com você, ame-se para amar o outro, isso é empatia, colocar-se no lugar do outro, cure-se para curar a terra, respeite tudo ao seu redor e reverencie a centelha divina em todas as coisas. "
Namastê!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Repensando Yule: O Ar e as crianças de nossa comunidade.




Chega o tempo de Yule, com o frio, com a mudança de Samhain a roda gira. No solstício de inverno, a noite mais longa do ano celebra-se o (re)nascimento do Sol, então as noites vão se tornando gradativamente mais curtas até o equinócio de primavera.

A tradicional celebração é conhecida atualmente como Natal (cristão) que celebra o nascimento de uma divindade Solar que mais tarde será o rei sacrificado (HÁ! Pensou que era o Deus Cornífero? Também é! Mas me refiro a Jesus, e qualquer semelhança não é mera coincidência...). Um dos costumes mais comuns que antecedem as festividades natalinas é a vigília de Yule, e me diz quem aqui quando criança não quis passar a noite acordado para ver o Papai Noel chegar? Nesse dia para os Pagãos não é diferente, esperamos ansiosos, acordados para ver o Sol chegar! Antigamente era pra ter certeza de que o sol realmente nasceria, hoje em dia é para celebrar esse nascimento, essa energia e força que brota em cada um de nós todas as manhãs. E bem, essa looonga noite se torna o tempo ideal para unir a comunidade, a família com ceias, jogos e um ato muito especial: Presentear quem se ama!

Essa época é muito gostosa, o frio, o aconchego do lar, o fogo na lareira, nos aproxima da nossa família, de nossa comunidade e de nossos amigos! Com a celebração do (re)nascimento do sol fico pensando nas possibilidades de contextualizar essa comemoração com a necessidade de nossa sociedade moderna e observando o mundo ao meu redor percebo que com o esfriar da atmosfera o ar é a primeira coisa que sentimos mudar, os ventos se tornam mais freqüentes e o clima se torna mais seco, existe também o fenômeno astrológico de que os dias começam a ficar mais longos o que representa sim o alvorecer de uma nova vida, é como se a criança saísse de útero escuro da Grande Mãe e agora começasse a crescer.

Por que então não ligar as duas coisas numa celebração só? O leste, local consagrado ao ar representa também a juventude, as idéias que dão inicio a um processo criativo, a inspiração de Apollo, protetor dos Kouros (jovens) e a inocência que antecede a primavera. É a leveza de ser criança, sem preocupações, é honrar a vida e o nascer a cada manhã do sono, da pequena morte que é dormir.

Seguindo essa linha, Yule se torna um festival do ar, onde se celebra os nascimentos, as crianças da família e também as crianças interiores, os presentes desenvolvem outro significado, eles vêm para valorizar o outro, para agradar para dizer “Ei, você é um presente em minha vida, eu te agradeço por estar presente, eu te honro hoje, no presente!!” é voltar um olhar para a juventude do nosso país, é refletir sobre ações que garantam a uma criança um futuro e construímos esse futuro hoje, através das nossas relações! É abraçar um irmão mais novo, um filho, um primo ou sobrinho é investir num relacionamento saudável, feliz e protetor para essa criança, é fazer nossa parte para garantir um futuro para os nossos filhos e sim, por que não ler o estatuto da criança e do adolescente, conhecendo e respeitando seus direitos? (olha o link aqui: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm) que tal juntar suas roupas, ou roupas de seus filhos que não servem mais e doar a um orfanato? Que tal, melhor ainda, juntar seu coven e ir até uma casa de abrigo a menores e fazer uma dinâmica bem legal e divertida, levar bolo e procurar entender de que maneiras esse local promove uma infância de qualidade para estas crianças, fazer parte dessa comunidade com trabalhos voluntários ou caso não consiga, ajude com dinheiro ou mesmo com boa vontade!

Yule é a inspiração, é valorizar a vida e o primeiro elemento que garante a vida é o ar! Vamos honrar este elemento, refletir sobre o impacto de nossas ações, vamos nessa época andar mais a pé ou com meios de transportes limpos e coletivos, vamos deixar nossos carros em casa, honrar os Silfos e Fadas, essa energia viva que permeia o ar. Usar amarelo uma cor de luz que contagia e lembra o sol, pensar nas palavras que falamos (pois essas também poluem o ar, o som), vamos encher o ar ao nosso redor com bênçãos e rezas para um mundo melhor, para uma convivência melhor, para relações saudáveis e amorosas, que nutram bons frutos!

Vamos nessa época do ano valorizar o que é bom para nós e para nossa comunidade? Vamos fazer a diferença para um ar de qualidade, para um respirar digno e honrar o ar que nos envolve com gestos de respeito e reverencia? Declamar poesias e cantar para tornar o dia mais agradável! Não seria muito gostoso se alguém compartilhasse com você um poema que inspirasse teu dia? Vamos escrever poemas e nos inspirar pela beleza da natureza ao nosso redor, vamos celebrar a vida que começa a brotar agora junto com o nascer do sol e agradecer a cada manhã pelo privilégio de se estar vivo!

Namastê!